27 de novembro de 2014, por Carlos Alberto de Freitas

Artigo_Nunes

Terceirização da mão-de-obra e de Serviços vem sendo cantada nos últimos anos, em verso e prosa, pelos Empresários, Deputados Federais e Estaduais, Senadores, Juristas, advogados, etc. Claro que temos exceções e muitos Deputados e senadores e alguns Juristas são contrários. E, podemos citar como exemplo a Procuradoria Geral da União, etc.

No caso da representação dos trabalhadores e trabalhadoras temos como exemplo de resistência a CUT – Central única dos Trabalhadores e Trabalhadoras, Federações, Confederações e Sindicatos filiados à CUT, que no ano de 2013 travaram uma enorme batalha contra o PL  4330 que uma parte dos deputados queriam colocar em votação a qualquer preço, porém, a CUT e suas entidades filiadas e algumas poucas Centrais Sindicais organizaram caravanas à Brasília, por diversas vezes e conseguiu barrar momentaneamente que o Projeto de Terceirização fosse colocado em pauta.

Porém, esse debate sobre Terceirização esta longe de acabar e é por isso que iremos conversar por um bom tempo aqui no Blog, pois, além de ser um tema que será recorrente daqui pra frente. Também é necessário dissecar sobre os malefícios que a Terceirização, faz aos trabalhadores e trabalhadoras, para a sociedade, para a previdência, etc.

É claro que para a maioria dos empresários a Terceirização é a menina dos olhos, pois, para quem pensa, em lucrar cada vez mais, obtendo o lucro pelo lucro, estes empresários não medem esforços para que esse projeto seja aprovado, pois, eles querem lucrar ainda mais, com a exploração dos trabalhadores e trabalhadoras. E, para que isso ocorra, os empresários querem flexibilizar os direitos trabalhistas e com a terceirização, eles repassam as responsabilidades para outras empresas, que irão pagar salários inferiores aos da empresa contratante. E, em alguns casos os empregados e empregadas perderão direitos como as férias, pois, a maioria das empresas prestadoras de serviços falem antes dos trabalhadores adquirirem direito as mesmas, assim como o direito ao FGTS também sofre prejuízos imediatos.

Falar sobre a Terceirização não é fácil e mais difícil de se entender, pois, é um tema abrangente e complicado, porém, neste espaço iremos aos poucos relatando sobre os prejuízos para a classe trabalhadora e mostrar de fato a realidade dos mesmos.

Muitas vezes lemos e ouvimos alguns setores falarem muito bem da terceirização. Enaltecendo que com implantação da mesma haverá geração de empregos, renda, agilidade na prestação de serviços, etc. Porém, escondem a verdade de que para trabalhadores e trabalhadoras esse caminho é de traumas, doenças, perdas de direitos e que em muitos casos

chega-se ao absurdo de encontrarmos trabalhos análogos ao de escravidão e que são escondidos pela tão falada Terceirização.

Nas próximas publicações iremos abordar os projetos de Lei na Câmara dos Deputados Federais, no Senado e sobre o recurso Extraordinário com Agravo que a Empresa Cenibra  – Celulose Nipo-Brasileira fez ao STF – Supremo Tribunal Federal. A posição da CUT com relação a esse recurso. E, como vamos nos organizar para fazer o enfrentamento junto ao Congresso Nacional e ao Governo Federal, a fim de acabar com esse tema sinistro para os trabalhadores e trabalhadoras.

Sobre o Autor

Carlos Alberto de Freitas

Secretário de Administração e Finanças da CUT MG. Secretário Geral do SINTRAF/JF. Ex presidente da CUT Regional Zona da Mata e militante do Partido dos Trabalhadores.

Comentários

comentários

  • Todos os direitos reservados a Pautando.com.br
  • Site desenvolvido pela Agência Infinit0